"DEVEMOS NOS TORNAR A MUDANÇA QUE DESEJAMOS VER NO MUNDO".(Mahatma Gandhi)

quarta-feira, 7 de abril de 2010

HumanizAÇÃO da Saúde!?

                   
Humanização da Saúde? 
Acaso não somos nós seres humanos, usuários e profissionais, no ambiente da saúde?

Um recente relato de um amigo sobre suas experiências e falta de humanização nas famosas filas de atendimentos do SUS, me fez voltar a refletir sobre algumas discussões realizadas no âmbito da Universidade... Me fez pensar nos atos humanos, principalmente  nos desumanos.  E trouxe de volta a questão de que uma dor de cabeça pode ser muito mais que um sintoma, pois a cabeça tem dono e este vive, pensa, ama, sofre, enfim; se relaciona com o mundo... e aí já entraríamos em mais uma longa história, mas que também não foge do contexto, partindo do princípio de tudo está interligado.
Pra começar, a humanização da saúde é antes de tudo a valorização das emoções, das crenças...  Isto me traz a lembrança a colocação de uma Freira sobre a palavra "coragem" (no sentido de agir com o coração). Me faz lembrar também os ensinamentos da Faculdade de Enfermagem quando nos orientavam a não enxergar apenas a doença e sim a pessoa doente, que tem uma vida, um trabalho, uma família...
Desta forma, aprendi que a Humanização da Saúde é isto: “respeitar os compromissos éticos com todos os seres humanos, tratando-os de igual para igual” e não em uma relação de superioridade como acontece em muitos serviços por aí afora.
A necessidade de falar sobre a Humanização da Saúde veio depois que percebi como se usa esta palavra para justificar qualquer sorriso forçado, como se isso fosse resolver ou compensar atrasos e desrespeitos com o usuário. Quando na verdade a humanização está por trás de atos simples e fundamentais, que fazem toda a diferença no atendimento; com dar respostas as perguntas que afligem o outro, com linguagem compreensível, verificando se o que foi dito foi também entendido por quem ouviu as explicações, criando espaços para o diálogo.
Não creio que apenas a criação de programas de Saúde na área assistencial consigam “Humanizar” a Saúde, como é o caso na saúde da mulher (humanização do parto) e na saúde da criança (Projeto Canguru, para recém-nascidos de baixo peso). É necessário mais do que isto!
A Humanização é uma questão de princípios, como colocar em prática em nossos serviços de saúde o que há de mais humano em nós, no sentido de atender procurando apontar resolutividade aos casos e não apenas “despachando” os usuários como se estivessem em um caixa a espera de um produto. A saúde não é um produto que possa ser obtida apenas através de um medicamento ou um paliativo qualquer, ser atendido de maneira humanizada nos serviços de saúde também faz parte de ter acesso a saúde.

3 comentários:

Enfa. Rosário disse...

Com o novo código de ética médico que entra hoje em vigor temos a esperança de melhorias no respeito aos pacientes. Isso através dos que o fizerem cumprir. O novo código obriga que os médicos escrevam letras legíveis nas receitas, tenham compromisso com horários, entre outras, que sendo seguidas traria mais dignidade aos que se submetem a tratamentos médicos.

Melqui Fernandes disse...

Feliz de ver que provoquei voce a escrever esse maravilhoso post. É assim que a gente faz em sociologia: provocar o diálogo franco e aberto, revisitar noções e pressupostos.

Se profissionais com sua visão de mundo fossem mais comuns no sistema público de saúde, seguramente teríamos um tratamento a nível da ética humana. Parabéns!

Enfermagem é Minha Vida! disse...

Olá Rosário! Gostei muito do seu blog. Sou enfermeira e podóloga especialista em pés diabéticos, também tenho um blog; faça-me uma visitinha! www.enfermagem-acao.blogspot.com